Lixo Marinho de Bangladesh

Mesmo no caso de Bangladesh as pontas de cigarros e os sacos de plásticos não caem do céu, eles caem de nossas mãos.

 

Lixo Marinho de Bangladesh

Muntasir Mamun Imran
Kewkradong Bangladesh

Dhaka, 24 de outubro de 2009

Mesmo no caso de Bangladesh as pontas de cigarros e os sacos de plásticos não caem do céu, eles caem de nossas mãos. Os elementos que poluem nossas praias são as coisas que nós despejamos no litoral; esses elementos são coisas que nós utilizamos regularmente e, por isso, não são necessariamente coisas sofisticadas.

Bangladesh possui a mais longa e ininterrupta praia de areia na sua parte sudeste abrangendo 92 km de vasta área onde a maioria dos deltas dos rios alimenta a Baía de Bengala. Desta forma, a pesca foi e continua sendo comum em toda a área. Mas de tempos em tempos, o turismo sem planejamento causa danos permanentes pela construção de edifícios, lojas, domicílios e estruturas permanentes. Para atender as demandas diárias em torno da área litorânea, no lugar da pesca, houve desistência de nossos pescadores, devido à escassez de pescado. A opção alternativa que eles escolheram para sua subsistência foram os pequenos negócios de mercadorias que interessam aos turistas.

 

Photo: David Barikdar

Photo: David Barikdar

 

Devido à carência de ação legislativa apropriada, o despejo e a coleta de lixo têm sido um problema, mas em um país como Bangladesh, onde um número muito grande de pessoas vive abaixo da linha de pobreza, as questões ambientais ainda estão por ser priorizadas. E, quando se trata de seu mar, é parcamente compreensível pela massa o que os oceanos nos dão e, em retorno, o quanto nós os poluímos. Talvez seja por isso que este problema ainda não foi sublinhado.

As estatísticas gerais de poluição neste território (Cox’s Bazar do Distrito de Chittagong) e seus elementos constituintes são devastadores. Além de fornecer o Índice de Lixo Marinho – de um lugar a outro em torno de grandes pontos turísticos, dados de cerca de 300 kg de lixo pegos de áreas bem específicas indicam atividade turística como uma fonte singular – esta estatística revela a fonte de lixo: de pontas de cigarros e embalagens de comida rápida (fast food). Isto também identifica a conexão entre o estresse causado pelo lixo marinho e a capacidade do oceano e do seu sistema crítico de suporte de vida  para adaptar-se aos primeiros sintomas das mudanças climáticas globais.

 

Photo: David Barikdar

Photo: David Barikdar

 

Após a implementação de um longo dia de apoio dado ao programa chamado Limpeza Costeira Internacional este cenário está mudando. Com o apoio do governo local e a ajuda do patrocínio de empresas foi formado um “comitê de praia” para coletar esses lixos facilmente visíveis do litoral.

Objetivando turistas flutuantes, trabalhadores estão trabalhando em bases diárias ao longo de todo o ano. Esta atividade tem reduzido o número total de lixo coletado dos litorais assim como reflete um impacto positivo em relação ao comportamento do turista que joga lixo aqui e ali. Entretanto, continua faltando um número adequado de recipientes e conhecimento apropriado de armazenagem. Devido a isso um novo problema está ocorrendo e ele se chama micro lixo.

O que nós vemos agora em nossos litorais pode ser facilmente removido, mas lixo, tal como sacos plásticos, redes de pesca, pontas de cigarro e outros itens não biodegradáveis, os quais são retidos sob a areia da praia, ainda está por ser explorado. Após algum tempo, essas coisas emergem para as camadas superiores de areia e tornam-se destruídas pelo vento, tempestades, sol e pelo calor do verão. Atualmente isto é facilmente visível próximo de assentamentos não planejados de lojas e áreas de alimentação. Durante a estação da seca o vento remove a camada de cima da areia e expõe elementos quebrados em minúsculas partículas as quais podem ser facilmente distinguidas.

 

Photo: David Barikdar

Photo: David Barikdar

 

As políticas vigentes são muito úteis para manter a beleza e o litoral baseado num sistema ecológico, mas, para torná-lo mais sustentável, deve ser desenvolvida uma parceria entre o povo e o governo. A criação de novos campos de trabalho para habitantes locais tais como reciclagem e reutilização de resíduos de materiais tóxicos ou não biodegradáveis, certamente irá garantir uma regeneração para o meio ambiente como um todo. Sem dizer que isso também ajudará a reduzir a tendência de coleta de vidas marinhas, conchas do mar, corais vivos ou mortos.

O turismo emergente cria outro problema, o do superfluxo dos sistemas de esgoto, e a drenagem pluvial adiciona à carga, pelo transbordo de lixo de estradas rurais e ruas da cidade, para o mar. Para tornar nossa área costeira mais sustentável, esta é a hora de tomar ações efetivas apropriadas para mitigar este problema emergente. Talvez não esteja na frente de nossos olhos, desde que este problema não é visível, mas ações devem ser tomadas agora para a sustentabilidade de longo prazo.

O AUTOR
Muntasir Mamun Imran é ativista e coordenador, no país, para a Limpeza Costeira Internacional, Bangladesh.

KEWKRADONG BANGLADESH
Kewkradong é um lugar de atividades para a juventude. A aventura é a chave aqui. Esta é uma organização totalmente apolítica, contra a violência e sem fins lucrativos originada em Bangladesh. A comunidade Kewkradong realiza programas ao longo de todo o ano em Bangladesh. A Kewkradong acredita na criação e na reunião de entusiasmo local buscando o voluntariado.
www.kewkradong.com

Kewkradong Bangladesh



Leave a Reply