E já que o supergari limpa…

E não é vendendo a imagem de que o gari limpa tudinho que o pessoal vai ser educado e se responsabilizar. Tá errado o conceito da campanha.

 

Uma singela sugestão para prefeitura do rio e comlurb

Postado por beatriz diniz em 8 fevereiro 2010 às 9:36

Beatriz DinizComo sou carioca, gente boa, adoradora de praia, e especialista em comunicação que promove cidadania, vai aí di grátis a sugestão para prefeitura e Comlurb: Criem o supercidadão, o superbanhista, o supercarioca, ou melhor, criem a superfamília que descarta devidamente seu lixo doméstico, que recolhe o lixo que produz na praia ou no parque e joga na lixeira, que não deixa na calçada o cocô do cachorro, que não joga lixo nas ruas nem pela janela do carro, que nota a falta de educação dos outros. Mostrem como pagamos por quanto mais lixo é largado assim tão facilmente em qualquer lugar. Massifiquem a imagem de pessoas lidando responsavelmente com seu lixo.

 

E já que o supergari limpa…

Postado por beatriz diniz em 5 fevereiro 2010 às 9:37

A prefeitura do Rio e a Comlurb estão com uma campanha sobre esse hábito horrível da gente jogar lixo em tudo quanto é lugar menos na lixeira. Tem um bonequinho tipo playmobil vestido de gari, um cenário todo limpinho, um S de supergari, e três frases: “Lugar de lixo é na lixeira. Uma questão de educação. Cuide de sua praia.”
Bom, que o gari no Rio é super, ah, isso é óbvio. Afinal, só eles limpam a sujeirada que o pessoal larga de qualquer jeito nas ruas, calçadas, areias, águas, em todo lugar. Porém, se temos no Rio o supergari pra quê as pessoas vão se responsabilizar pelo próprio lixo? O supergari recolhe o que a gente é incapaz de levar até uma lixeira.
Para que as pessoas ajam como gente educada é preciso educá-las. Para que diminua o custo com limpeza pública é necessário que as pessoas se responsabilizem pelo lixo que geram. E não é vendendo a imagem de que o gari limpa tudinho que o pessoal vai ser educado e se responsabilizar. Tá errado o conceito da campanha.
Campanhas educativas precisam de técnica para linguagem e abordagem, o que requer estudo de dados, identificação de contextos comportamentais por segmentos da população, para aí definir como dialogar adequadamente com os públicos prioritários. E devem estar articuladas a ações de Assessoria de Imprensa e RP.

 

a menina que não quer ser gari…

Postado por beatriz diniz em 4 fevereiro 2010 às 13:01

“o pai chamou a atenção da filha de cinco anos, que jogara uma garrafa de água na areia. A pequena, a contragosto, atendeu ao pedido do pai para que jogasse o objeto na lixeira, mas ele recebeu uma resposta malcriada: Eu não sou gari, não, tá?”
Trecho de matéria no G1 sobre o chiqueirinho que está a cidade do Rio de janeiro, siga o link para a fonte consultada: http://bit.ly/cqEB92

 

Porquinhos não, é a gente mesmo…

Postado por beatriz diniz em 2 fevereiro 2010 às 10:07

522 toneladas de lixo foram deixadas em Copacabana pelas pessoas que foram virar o ano na praia carioca. Eu tava lá.
Na volta pra casa, no curto caminho até o metrô, o que vi de lixo no chão não tá no gibi. Que nojo, quanta sujeira, que porcaria.
Os ambulantes, proibidos de trabalhar na praia, ficaram nas perpendiculares à avenida Atlântica e pelas ruas largaram suas latonas de milho e ervilha.
Gente que foi se divertir e gente que foi trabalhar, em um único dia, conseguem produzir e largar toneladas de lixo nas ruas, calçadas, areias e no mar. Nos cinco dias de carnaval, quanto de lixo será largado nas ruas pelos foliões? E no verão, nas praias e cachoeiras, quanto lixo será largado?
Os porquinhos não saem por aí largando lixo, né?

 

Página de beatriz diniz - Banco do Planeta

 

Notícias relacionadas

Projeto “Onda Limpa” da Comlurb invade o Piscinão de Ramos

Projeto “Onda Limpa” da Comlurb chega à Zona Oeste

Garis sambam para manter a praia limpa

Comlurb promove projeto “Onda Limpa” no verão

Comlurb retira 522 toneladas de lixo das praias



2 Responses to “ E já que o supergari limpa… ”

  1. É aplausivel, o seu alerta, contra o lixo,que merece os aplausos de todos os que sabem do mal, desta invasão a natureza. Porem, é muito dificil, educar um povo, que sempre esteve a margem das postas da catedral da cultura, coisa, que só os mesmos(elitizados, e principes)tiveram este direito(incluisive residem em bairros de alto nivel, com estrutura que os mantem sempre lindos !!!
    Mais nós os brasileiros, somos muito criativos, e damos geito em quase tudo…
    É so abrir um espaço, para voluntarios, que queiram participar da secretaria das sugestões municipaes/estaduaes/ e tambem federaes, ( um projeto meu que está aqui no papel, a espera de uma oportunidade, para “d o a r “a quem interessar possa .
    Infelismente, quem deveria cuidar desta area, não tem condições, e muitas vezes, são nomeados, pelo pecimo sistema secular,republicano, de um afiilhado “politico, que entende tanto de limpesa publica e açoes sobre a materia, como EU de pedras preciosas,(não diferencio, um caco de vidro de um diammante …
    um abbraço de mestry!
    mestrybadahra@ibest.com.br Vitoria ES
    ambientalista/ecologista/ativista/ voluntario e aleatorio ( totalmente independente )

  2. Cristina Reis disse:

    Um dos grandes responsáveis pela poluição das areias e das praias são os eventos musicais que são realizados nas orlas marítimas. Sem falar também da alta temporada do verão.
    Os três poderes executivo do âmbito federal, estadual e municipal teriam que acionar e responsabilizar até eles mesmo, os patrocinadores e os organizadores no intuito de uma medida compensatória para a revitalização dos lugares urbanos que foram depredados e degradados por conta dos faraônicos megaeventos como é o caso do reveillon, do carnaval, show nacional e internacional.
    Considero cinco pontos fundamentais a serem feitos:
    Proibir a farta distribuição de engenhos, prospectos, abanadores e chapéus publicitários;
    A colocação de várias caçambas públicas com uma sinaleira obrigando o público a prestar a atenção ao jogarem copos e garrafas de plásticos e de alumínio no chão;
    Proibir gêneros alimentícios de qualquer espécie nos logradouros públicos;
    Incentivar o uso de material trazido de casa como copo quando é o caso de garrafas PEt de 1 a 2 litros;
    Massificar a população, principalmente os ambulantes, um trabalho conjunto com as entidades ambientalistas e associativas a conscietização e de educação ambiental.

Leave a Reply