O lixão precisa de música

O que realmente causa espanto é a falta total de qualquer articulação dos meios de comunicação, políticos, órgãos públicos, empresas de publicidade e nossos artistas para tentar reverter este quadro que causou estragos significativos no orgulho e no brio de quem vive nesta cidade.

 

Bernardo Mussi

03/02/2010

O lixão precisa de música

 

Fim de tarde após Travessia Mar Grande/Salvador – Janeiro de 2010. Foto: Bernardo Mussi

Fim de tarde após Travessia Mar Grande/Salvador – Janeiro de 2010. Foto: Bernardo Mussi

 

Recentemente Salvador foi destaque como a cidade que possui as praias mais sujas do país. Isso não é novidade… O que realmente causa espanto é a falta total de qualquer articulação dos meios de comunicação, políticos, órgãos públicos, empresas de publicidade e nossos artistas para tentar reverter este quadro que causou estragos significativos no orgulho e no brio de quem vive nesta cidade.

Não se pode acreditar que baianos que possuem o poder de influenciar nossa gente e nossos visitantes a melhorarem suas atitudes em nossas praias, não estejam aproveitando a época de tantas festas para, ao menos, promover campanhas educativas. Porque o que tem gerado o lixão, muito mais que a leniência do poder público, é a falta de educação generalizada das pessoas.

O lixo é produto em sua maioria do consumo de bebidas e comidas. Seria ideal que a cada 10 metros de praia houvesse uma cesta de lixo ou que o próprio ambulante que leva o produto até a praia providenciasse o seu destino adequado. Mas está difícil de acontecer. Por este motivo o ideal é que cada consumidor guarde seu lixo para levá-lo consigo até o local ideal para descarte. Estou certo que ainda no entorno da praia haverá uma cesta ou um container coletor. O que não dá é para continuar largando o lixão pelas praias por puro comodismo ou falta de orientação.

Bem que nossos artistas poderiam ajudar. Já que eles possuem o condão de levar multidões ao delírio ordenando a beijação generalizada, o “rebolation”, o “vou te comer” e altas coreografias pra lá de excêntricas, imagino que fazer a galera melhorar suas atitudes com o lixo nas praias vai ser moleza. Podem até compor músicas com aqueles refrões marcantes e coreografias empolgantes só que tratando de uma causa muito nobre como a educação. É disso que o país necessita!

 

Fundo do Porto da Barra, na beira, manhã seguinte ao show Música no Porto. Foto: Bernardo Mussi

Fundo do Porto da Barra, na beira, manhã seguinte ao show Música no Porto. Foto: Bernardo Mussi

 

Assim também deveria estar se comportando a mídia. Matérias regulares sobre a gravidade do problema e a necessidade de se mudar alguns hábitos tinham que ser uma constante pelos vários veículos de comunicação de massa.

Poderiam ainda nossas agências de publicidade aproveitar o bom gancho para alinharem a adoção da causa à divulgação de serviços e produtos dos seus clientes mais exigentes.

Até nossos políticos que adoram se aproveitar de situações desta natureza para ganhar visibilidade estão boiando.

Restam nossos incansáveis ativistas de ONGs e outros grupos alternativos. Estes sim, vi diversas manifestações criativas e muito interessantes…

Mas não dá para comparar o poder que estes grupos têm para mudar o comportamento das pessoas aqui em Salvador, ainda mais em época de carnaval, com artistas do peso de Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Chiclete com Banana, OLODUM e tantos outros que possuem a mídia nacional e internacional a seus pés.

Daí a enorme responsabilidade destas estrelas da musica com o problema. Acredito que como se dizem baianos de verdade, e isso não deve ser apenas jogada de marketing, eles também tiveram o orgulho e a auto estima feridos pela notícia do lixão nas praias. Baiano que é baiano ficou envergonhado! O sentimento é que somos todos igualmente sem educação e adeptos do lixão…

Estou indignado! Tenho retirado latas, copos, garrafas, palitos de churrasquinho, queijinho e camarão quase que diariamente em meus mergulhos na praia do Porto da Barra. Sou uma formiguinha ferida pela estatística em desfavor da minha cidade e minha gente fazendo a minha parte, inclusive escrevendo este artigo. Pena que não tenha o poder de influenciar multidões com minha voz desafinada, minha imagem sem estilo, minha escrita prolixa e total falta de acesso a trios elétricos, programas na TV, jornais, Outdoors, camarotes e grandes shows…

Estou certo, entretanto, que no universo de tantos artistas influentes alguns estejam com a baianidade igualmente ferida e o orgulho vergonhosamente abalado. Por isso devo acreditar na possibilidade de ver tais artistas aproveitando a oportunidades de grandes concentrações populares e muita visibilidade na mídia para divulgar esta indignação de uma maneira impactante, educativa e, porque não, lucrativa, o que é muito justo.

O que não falta é competência, criatividade e inteligência nessa turma. Resta saber se a ação pela educação contra o lixão começará neste verão. Vai aí uma rima que pode até dar música…

 

Bernardo Mussi no Barravento. Foto: Fábio Medeiros

Bernardo Mussi no Barravento. Foto: Fábio Medeiros



20 Responses to “ O lixão precisa de música ”

  1. andrezas disse:

    oi! obrigado vou colocarr as fotos sim, mas só algumas.
    a revista é um trabalho de faculdade/ unime.
    ela vai ser vinculada só na faculdade mesmo.!
    obrigado, colocarei os créditos ao francisco pedro! obrigadooooo

  2. Milton Neto disse:

    A única coisa boa nisto tudo é saber que existem pessoas que como as outras não são contra o divertimento e alegria porém são a favor da responsabilidade ambiental, o inverno esta chegando e o acumulo delixo nas ruas vai transformar nossa cidade em um caos total, parabéns pelo blog.

  3. NEIVA disse:

    ESSE BLOG MERECE TODO O APOIO DO POVO, JÁ QUE AS AUTORIDADES NÃO TOMAM CONHECIMENTO. VAMOS LUTAR PARA TERMINAR COM A VERGONHA DO CARNAVAL NO BRASIL…. ENQUANTO POUCOS LUCRAM O POVO … INFELIZMENTE A GRANDE MAIORIA ESQUECE A FOME, O DESEMPREGO…. PRINCIPALMENTE NA BAHIA…. SEM COMENTÁRIOS…. INDIGNADA… SOU DO RS PROFESSORA
    PARABÉNS PELA MATÉRIA

    • NEIVA disse:

      PARABENS PELO BLOG… INFELIZMENTE …NÃO PODEMOS EXPRESSAR NOSSO PENSAMENTO…. SEM PALAVRAS PARA ESSE HORROR NA NATUREZA….
      SOU DO RS

  4. Elis Duc disse:

    Olà a todos, ao ver esta matèria da nossa querida bahia cheia de vida e alegria o unico sentimento que podemos ter é…Tristeza,como existe seres humanos que tem tanta capacidade de destruir a natureza deste jeito!é mesmo lamentavél

  5. Juliana disse:

    Realmente… faltam palavras para tamanha indignação…
    Política, mídia, população, e por aí vai. Todos fecham os olhos e não fazem nada! Uma infelicidade!

    Parabéns pelo blog de vocês!

  6. Aline disse:

    tenho um esgotamento ideológico imenso quando acabo de ver este tipo de artigo. Estou realmente cansada… vou ser breve… deixamos aqui um ensinamento: que nas praias do nosso planeta, os únicos resíduos sejam os castelos de areia! Já que as autoridades não tomam providências, cabe a cada um tomar responsabilidade ambiental. O pior é tentar colocar isso na cabeça das pessoas(parentes e amigos) e ainda ser considerado um chato de galochas…

  7. Êrika disse:

    Olá Galera!!!
    Sou baiana e apesar de morar em Brasília há 6 anos…. AMO SALVADOR. Fiquei muito feliz de encontrar o blog de vocês com tanta coisa interessante. É isso aí…. alguém tem que se indignar com tanto descaso das autoridades com relação ao lixo nas praias lindas de Salvador.
    Recentemente estive na Ponta do Garcez, uma praia lindíssima da Bahia e fiquei muito triste com a quantidade de lixo. Esse é mais um exemplo de tantos outros.
    Bom trabalho para vocês.

  8. É lamentável que as autoridaes responsáveis pelo Carnaval e a imprensa não tenham dado a devida atenção ao Lixo depositado no Porto da Barra. Em nome do “Progresso” tem-se agredido diariamente o meio ambiante ( a natureza), e depois se pergunta: Por quê o aquecimento GLOBAL??!!! Estamos destruíndo o nosso Planeta!”Somos devedores de nós mesmo”. O resto é causa e efeito. C/abraços - Charlê.

  9. Franciane disse:

    Sinto uma carga emotiva muito grande quando leio seus textos.Os quais retratam com criticidade a realidade cruel da nossa cidade, que de fato não é novidade mas choca demais ver essas imagens ( reforça a idéia de que não podemos ficar calados/parados). aí eu me pergunto até quando o poder público vai ser tão negligente.. Mas cinto que enquanto cidadões temos potencial para propor ações.Essa iniciativa é de estrema importância. Força! Fiquei feliz em saber da existência…

  10. Arthur Farias disse:

    Amigo, eu realmente me arrepiei com esses artigos que andei lendo por aqui hoje, pensei em largar meu curso de multimídia no qual estou no 3º Ano, só pra fazer engenharia ambiental.. ou coisa parecida.. não que isso ajude em alguma coisa, mas enfim.. sou estudante, não tenho muito conhecimento, não sei escrever coisas motivacionais, tampouco. mas sou adepto ao meio ambiente.. tenho ainda muito que melhorar, como todos nós, porém essa matérias matérias me chocaram de um jeito que.. nossa.. nem sei explicar.. sou de Belém do Pará, não é nada confortável dizer que não é apenas na Bahia que as coisas funcionam assim.. aqui em Belém as vezes chega ser pior.. tanto na área urbana, como na de periferia, praias e praças. temos um rio imenso que esta quase completamente poluído às margens de nossas universidades, pessoas que ainda jogam o côcos pela janela dos ônibus, papéis de bombons, pipoca e até sacola plastica de supermercado. as coisas vão mal.. é realmente lastimável o que vem acontecendo aí, aquí e em todo lugar quase, você ficaria indgnado com a sujeira que fica a presidente vargas após o círio de nazaré em belém.. lastimável.

  11. Nara disse:

    Que bonito meninos!!!Linda essa materia feia. Eu pensei que eu estivesse sozinha nessa.
    Todas as vezes que vou a Salvador fico com menos vontade de voltar so por essas e outras coisas mais. So precisamos nos encontrar para falar do nosso amor pelo universo, afinal somos particulas dele e por isso, o nosso dever de cuidar-nos. Me mandem noticias se havera algum evento onde possamos nos balancar ao som das limpas ondas desse lindo mar do Porto da Barra.
    Ninguem merece viu? Esse porto nao merece.

  12. Joana Maltez disse:

    Li hoje o material de vocês falando sobre o lixo no mar após o carnaval, gostaria de parabenizá-los pela iniciativa e aproveito a oportunidade para registrar outro fato que me deixa muuuuito incomodada, que é a quantidade de lixo que se joga no mar no dia 02/02 para “presentear Iemanjá”. Não sou contra nenhuma manifestação religiosa nem cultural, mas é absurdo o descaso com a natureza. Tenho uma filha de 10 anos que criou uma comunidade chamada “Presentear Iemanjá é poluir o mar”, onde ela pede para que as pessoas joguem apenas flores e não tantos vidros de perfume, espelhos, etc. Acho que é mais ou menos por ai….

  13. Maíra Abrunhosa disse:

    Pena que estou lendo este artigo quase um mês depois, gostaria de saber se houve alguma repercussão ao fim. Morro de vontade de passar o carnaval na Bahia, mas pelo jeito até eu conseguir passar o carnaval na Bahia, seguindo esse ritmo, acho que desisto! Que descaso com o mar, que como foi dito acima revida sim! E com fúria. Tentaram comunicar os artistas, passar esse quadro degradante á eles? Não é possível que vejam tal cenário com indiferença, se houver é porque não são dignos de admiração. Primeira vez que vejo esse site! Vou dar uma fuçada á mais pra ver se eu, pequena por aqui posso ajudar! Muito boa atitude de vocês! Muito mesmo, se ninguém agradeceu ou reconheceu, eu agradeço e reconheço a atitude que vocês tomaram! Parabéns, é de gente assim que o Mundo precisa!

  14. Seguinte pessoal…..educação começa em casa…O perssoal tenta aprender, mas eh muito confuso este sistema indicado pelas prefeituras….soh com duas lixeiras fica impossivel de fazer o correto…veja em 3lixos.com.br…..

  15. Ana Clara disse:

    Indico essa bela canção intitulada LIXO:
    http://www.overmundo.com.br/banco/lixo-1
    Como você mesmo disse no texto, trata-se de uma manifestação criativa de um desses incansáveis ativistas que, infelizmente, não estão na grande mídia.
    Mas cabe a nós, público e formadores de opinião, veicularmos canções como essa, mesmo que em mídias alternativas.
    Bjs.

  16. Luís Peazê disse:

    “…Sou uma formiguinha ferida pela estatística em desfavor da minha cidade e minha gente fazendo a minha parte, inclusive escrevendo este artigo. Pena que não tenha o poder de influenciar multidões com minha voz desafinada, minha imagem sem estilo…” Mandou muitíssimo bem, de forma tão viva que deu pra ouvir o teu sotaque. Você tem o poder de influenciar sim! Minha solidariedade. Peazê

  17. Francisco Pedro disse:

    Pois é … ontem a tarde (21/02/2010)mergulhei ao lado do Farol da Barra, entre a escada onde vende coco e o navio naufragado “Maraldi”. Fique impressionado e estarrecido com a quantidade latinhas, sobretudo de Skol, e copos e pratos descartáveis. Quem mergulha nessa região sabe que o lixo é bem comum ali, mas dessa vez está numa concentração muito, mas muito maior. Imagino que a origem desse material deva ser diversa. Justamente próximo a uma das apoteoses do carnaval baiano … quantas latas não foram descartadas pelos foliões das ruas e dos trios? Quantas não foram descartadas por foliões nas lanchas e outras embarcações que estiveram por ali fundeadas para acompanhar a festa de perto? Retornarei esta semana apenas para coletar latinhas e outros lixos. Seria interessante que outros mergulhadores que conhecem esse pico, possam fazer o mesmo assim que puderem. Abraço,

  18. Carla L. Fillardi disse:

    Pois é, Bonga! É lamentável e a gente fica indignado… Por isso, só te digo uma coisa: junte-se a nós! A porta tá aberta! Precisamos de atitudes como essa. Foto irada do Barrá! Aloha!

Leave a Reply to Êrika