Lixão Baiano

“LIXO no Porto” e “Espicha LIXÃO”

 

 

17 de abril de 2010  

Lixão Baiano

Hélio Guerra 

Imagine a seguinte situação, você foi a Salvador (Bahia), esperando seguir o Trio Elétrico, vestindo seu Abada, pronto para beijar muito e entre uma folia e outra você resolve megulhar no porto da Barra, bem próximo da região do Farol, onde aconteceram os eventos “Música no Porto” e “Espicha Verão”, e então você descobre que a educação de vários freqüentadores desses eventos ficou em casa, e que muitos deles colaboraram para o “LIXO no Porto” e “Espicha LIXÃO”, conforme a matéria postada no link  abaixo…

http://www.globalgarbage.org/blog/index.php/2010/03/05/o-fundo-da-folia/

Pessoal, gostaria de deixar claro, que como os autores da matéria, adoro o Carnaval, adoro a Bahia, principalmente o litoral, e sei que grande parte desse  lixo jogado no mar é obra de “poucos” que sujam muito,  e que  é responsabilidade dos organizadores e patrocinadores que só pensam na divulgação, no lucro e na mídia, ao invés de pensar na preservação do nosso litoral,  esta lá, registrado nas fotos de Francisco Pedro/projeto lixo marinho – Global Garbage Brasil, e com as fotos do evento Espicha Verão 2010 : João Ramos / Bahiatursa e Luciano da Mata/ Agencia A Tarde. Podemos concluir que se cada patrocinador se responsabilizasse pelo descarte e reciclagem do seu próprio material, ele com certeza não iria parar no fundo do Porto da Barra, espero que com a divulgação dessa matéria, os responsáveis por esse problema se toquem da destinação do que é produzido por eles e que é o nome deles que repousa no fundo do mar, poluindo nossa visão e matando a fauna marinha. Espero que a folia continue mas sem prejuízo ao oceano e aos seres que nele habitam.

Eco Sustentabilidade



One Response to “ Lixão Baiano ”

  1. Alice Andrade disse:

    Olá,
    Gostaria de dizer que concordo que os organizadores e patrocinadores do Carnaval baiano tem que assumir suas responsabilidades e incluir nas seus “planos carnavalescos” as campanhas de conscientização ambiental, mas somente isto não será suficiente. Os foliões, antes de qualquer coisa, também tem que vestir a camisa e curtir a festa estando ligados no meio ambiente. A maioria das pessoas que curtem o canaval de Salvador tem educação suficiente para entender que a latinha que ele (ou ela) joga no chão vai seguir o caminho mais fácil e parar dentro desse mar maravilhoso que temos em Salvador!!! Ignorância, neste caso, não pode mais ser usada como justificativa para estes atos!!! Diversão e responsabilidade podem e devem caminhar juntas em qualquer evento. E a consciência precisa estar alerta a todo momento.

    Um abraço,
    Alice.

Leave a Reply to Alice Andrade