“Clean-upers”, e os manguezais?

Para tentar minimizar este hiato realizamos um estudo para quantificar e descrever os tipos de resíduos sólidos encontrados em manguezais do Complexo Estuarino Santos – São Vicente/SP, uma das áreas mais intensamente urbanizadas do litoral brasileiro, por onde passa aproximadamente 50% do PIB nacional.

 

 

“Clean-upers”, e os manguezais?

São Vicente, 14 de setembro de 2010

 

Cesar Augusto M. M. Cordeiro

Os manguezais estão espalhados em 112 países em todo o mundo, tendo uma cobertura de aproximadamente 18 milhões de hectares. No Brasil, contamos com pouco mais de 1,3 milhão de hectares ao longo da costa. E, 14 regiões metropolitanas, das 25 do país, encontram-se em áreas costeiras próximas a estuários, onde estão também os maiores portos e pólos petroquímicos do país.

Além da grande importância ecológica (berçários de peixes e crustáceos, área de alimentação e descanso de aves), tradicionalmente, a ampla utilização dos manguezais abrange atividades de extração de alimento (caça, pesca e cultivo de moluscos) e de madeira para diversos fins (lenha, extração de tanino, construção de casas e utensílios). Com a crescente ocupação humana em áreas de manguezais, muitas atividades comerciais vêm aumentando sua importância na exploração dos recursos estuarinos, no entanto, tais práticas ocorrem em escalas superiores às suportadas pelo ambiente, contribuindo em sua degradação.

Apesar da proximidade de grandes centros urbanos a esses ecossistemas e sua inerente fragilidade, poucos estudos ou ações de limpeza têm focado este ambiente, principalmente devido à dificuldade de acesso e de operação nessas regiões. Existem alguns registros de iniciativas em Trinidad e Tobago (Mangrove cleanup project), Cingapura (International Coastal and Mangrove Cleanup at Sungei Buloh Nature Park), Palau (Clean “Idederach” Mangrove) e no Brasil (Vitória/ES - Projeto de Educação Ambiental Mangue Vivo - Ação Integrada de Limpeza do Manguezal; e, Natal/RN - 5º Tempo - Mutirão de Limpeza no Mangue), mas ainda muito poucos em relação às realizadas em praias de todo o mundo.

Para tentar minimizar este hiato realizamos um estudo para quantificar e descrever os tipos de resíduos sólidos encontrados em manguezais do Complexo Estuarino Santos - São Vicente/SP, uma das áreas mais intensamente urbanizadas do litoral brasileiro, por onde passa aproximadamente 50% do PIB nacional.

Para a realização do estudo foram amostradas oito áreas ao longo estuário nas quais foram coletados os resíduos e caracterizada a vegetação. Além do histórico de pirataria nessas áreas, a facilidade de acesso e localização no estuário foram fatores determinantes no planejamento amostral.

 

Resíduos depositados pela maré em área de manguezal próxima às palafitas na região de Santos e São Vicente. © Cesar Cordeiro

Resíduos depositados pela maré em área de manguezal próxima às palafitas na região de Santos e São Vicente. © Cesar Cordeiro

 

Ao total foram recolhidos 2129 itens, com o peso de 207,5 kg. O peso total dos itens pode parecer pouco para a área amostrada. Contudo, os resíduos com grandes dimensões (sofás, colchões, portas, geladeiras e pneus) não puderam ser pesados no local e não foram incluídos nas análises.

O principal item observado em todas as áreas foi o plástico com 62,8% da abundância total, onde embalagens e sacolas plásticas contabilizaram 51,6% dessa fração. Essa contribuição maciça de itens plásticos não é uma surpresa, uma vez que já é uma das maiores preocupações em escala global. Diversos trabalhos realizados em praias já constataram resultados semelhantes e, o prognóstico em longo prazo não é otimista. A ampla utilização desses polímeros devido à sua versatilidade, baixo custo e durabilidade faz com que permaneçam com alto grau de inserção na sociedade moderna, tornando-os praticamente indispensáveis. Tais características também são o motivo pelo qual este tipo de resíduo é tão nocivo ao meio ambiente e, apesar de pesquisas sobre novos materiais, parece não haver nenhum substituto à altura num horizonte próximo.

 

Resíduos acumulados em áreas de manguezal. Notar na imagem as camadas de plástico depositado. Embalagens e sacos plásticas acabam aprisionando grandes quantidades de sedimento que em seguida são soterradas, formando camadas de sedimento aprisionado. © Cesar Cordeiro

Resíduos acumulados em áreas de manguezal. Notar na imagem as camadas de plástico depositado. Embalagens e sacos plásticas acabam aprisionando grandes quantidades de sedimento que em seguida são soterradas, formando camadas de sedimento aprisionado. © Cesar Cordeiro

 

Diferentemente das praias, em estuários, a ação de ondas e ventos tem pouca influência na distribuição dos resíduos. O principal fator é o fluxo das marés que age varrendo estas áreas, levando e trazendo itens de acordo com a flutuabilidade. Assim, observando as características das áreas amostradas observamos as maiores quantidade de lixo acumuladas em áreas de baixa declividade. Esta informação é importante no direcionamento de futuras ações de limpeza, facilitando a escolha de áreas prioritárias.

 

Palafitas às margens do Complexo Estuarino Santos-São Vicente. © Cesar Cordeiro

Palafitas às margens do Complexo Estuarino Santos-São Vicente. © Cesar Cordeiro

 

Como os estuários estão sujeitos a receber resíduos de fontes em terra ou no mar, estando próximo a um grande porto, fica mais difícil definir a origem dos resíduos. A composição geral dos resíduos foi basicamente formada por itens de lixo doméstico, alguns deles com baixa flutuabilidade - como pneus, sapatos, eletrodomésticos - o que indica que estavam próximos à origem. Nesta região estuarina estão localizados dois aterros sanitários legalmente estabelecidos que, segundo informações da CETESB, tem operado de forma adequada. Apesar disso, as ocupações ilegais (palafitas - figura 3) às margens do estuário não possuem serviços de saneamento básico e acabam despejando seus resíduos diretamente nos canais.

 

Resíduos acumulados em área de manguezal na região de Santos e São Vicente. © Cesar Cordeiro

Resíduos acumulados em área de manguezal na região de Santos e São Vicente. © Cesar Cordeiro

 

Como observado por outros estudos, o acúmulo de resíduos pode causar problemas estéticos e trazer riscos à saúde de humanos e à biota local. Assim, são necessárias ações que considerem o problema dos resíduos despejados irregularmente em áreas naturais, tais como: estabelecimento de políticas educacionais e de conscientização com atividades direcionadas à diminuição do consumo; estabelecimento de programas locais de monitoramente e limpeza das áreas atingidas, auxiliando a mobilização da sociedade organizada; aumento da cooperação entre pesquisadores, sociedade organizada e governo, para a instalação de tais ações; e, regularização das áreas ocupadas às margens dos canais e implementação de serviços de saneamento básico nestas regiões.

Cesar Cordeiro, biólogo marinho (UNESP), mestre em zoologia (UFPB) e doutorando em biologia marinha (UFF).

 

pdficon_small Avaliação dos resíduos sólidos retidos em manguezais da região estuarina de São Vicente, SP

pdficon_small Avaliação dos resíduos sólidos no estuário de Santos e São Vicente, Baixada Santista, SP, Brasil

Evaluation of solid residues removed from a mangrove swamp in the São Vicente Estuary, SP, Brazil
Se você é estudante, pesquisador ou jornalista e deseja obter este artigo, escreva para info@globalgarbage.org

 

saiba mais

Resíduos sólidos nos manguezais: um problema ignorado



5 Responses to “ “Clean-upers”, e os manguezais? ”

  1. ALAN LUEDY ALMEIDA .IGNYS.;. disse:

    SOFRE O PASSARINHO PEGOU FOGO NO SEU NINHO… NEM NASCE DO SEU OVINHO PORQUE QUEIMOU TODO NINHO …CHAMEM JÁ AS CRIANÇAS PRA CANTAR …

  2. ALAN LUEDY ALMEIDA .IGNYS.;. disse:

    POEMA E MUSICA
    SÓ O AMOR PODE ACALMAR …
    AUTOR; ALAN IGNYS.;. O AVATAR
    INTERPRETADA POR INUMEROS MUSICOS E AMBIENTALISTAS DE TODO BRASIL;OBRIGADO A TODOS … ALAN L. ALMEIDA.

  3. ALAN LUEDY ALMEIDA .IGNYS.;. disse:

    O MEIO AMBIENTE JA NÃO ANDA TÃO CONTENTE
    O MEIO AMBIENTE JA NÃO ESTÁ TÃO SORRIDENTE… CHAMEM JÁ AS CRIANÇAS PRA CANTAR…

  4. ALAN LUEDY ALMEIDA .IGNYS.;. disse:

    MICO LEÃO DOURADO NÃO ESTAVA EM SEU LUGAR
    FOI PRA FUGIR DO FOGO NÃO QUERIA SE QUEIMAR;
    TUIUIU, CORUJÃO DA NOITE E LOBO GUARÁ NÃO ETAVAM EM SEU LUGAR … E O BOTO COR DE ROSA JA CANSOU DE SE MUDAR

  5. ALAN LUEDY ALMEIDA .IGNYS.;. disse:

    NO MANGUE EU PASSO O REMO VEM SACOLA E ATÉ SOFÁ , MAIS DE UM MILHÃO DE PÉTS POLUINDO O MANGUEZÁ … CHAMEM JÁ AS
    CRIANÇAS PRA CANTAR … CHAMEM JÁ CONCIENCIA ESPALHAR…
    CHAMEM JÁ QUE O AMOR PODE ACALMAR
    O FOGO DA FLORESTA E A POLUIÇÃO DO MAR

Leave a Reply