A cerveja vai bombar nesse verão…

Maior consumo de cerveja pode ser ótimo para a economia e rentável para indústria e varejo, porém, é uma porcaria para o meio ambiente, para a saúde e para a vida. Portanto, a preparação para esse melhor verão deve incluir as prováveis consequências ambientais e sociais desse sucesso econômico da cerveja.

 

 

A cerveja vai bombar nesse verão…

por eco lógico sustentabilidade, segunda, 8 de novembro de 2010 às 16:38

 

© Francisco Pedro/Global Garbage/O Fundo da Folia

© Francisco Pedro/Global Garbage/O Fundo da Folia

 

Li no Valor Econômico notícia sobre a Ambev estar preparada para “o melhor verão da história em vendas de cerveja no Brasil”. Essa notícia não me interessaria se eu não fosse uma criatura de outro mundo, daquelas que pensa: se será consumida quantidade de cerveja maior que em outros verões, é bom aumentar o número de lixeiras, é bom aumentar a fiscalização no trânsito, é bom aumentar a capacidade de atendimento nos postos de saúde, é bom os pais conversarem com seus jovens filhos.

Cerveja bombar de vender significa mais embalagens e mais pessoas bebendo. É lucro para iniciativa privada, mas, por outro lado, é prejuízo para o poder público e para a sociedade.

Maior consumo de cerveja pode ser ótimo para a economia e rentável para indústria e varejo, porém, é uma porcaria para o meio ambiente, para a saúde e para a vida. Portanto, a preparação para esse melhor verão deve incluir as prováveis consequências ambientais e sociais desse sucesso econômico da cerveja. Eis o tripé da sustentabilidade.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos está aprovada em nosso país. Então, quero saber se a Ambev está preparada não apenas para vender cerveja, mas, principalmente para se responsabilizar pelas embalagens e estimular o devido descarte pelos consumidores. Vai inventar a lixeira volante? Vai apoiar instalação de mais lixeiras? Vai investir em campanhas educativas?

 

 

Basta produzir, distribuir e vender?

por eco lógico sustentabilidade, segunda, 8 de novembro de 2010 às 16:39

 

© Francisco Pedro/Global Garbage/O Fundo da Folia

© Francisco Pedro/Global Garbage/O Fundo da Folia

 

E já que vem aí o “melhor verão da história em vendas de cerveja no Brasil”…Como iniciativa privada, poder público e sociedade lidarão com previsível maior descarte indevido de embalagens e acidentes de trânsito por abuso no consumo?

Não é mais suficiente a iniciativa privada preparar somente suas operações comerciais e de logística. É preciso pensar nos impactos, estimar prejuízos, prevenir problemas. Isso é lógico e possível. E tem que articular o poder público, que reage na pressão ou na proposição, para que estejam preparados os agentes governamentais responsáveis por serviços decorrentes do maior consumo de bebida alcoólica.

Os serviços públicos de limpeza, de saúde, de segurança, de justiça, de educação estão preparados para atender as demandas do boom de cerveja previsto para o verão?

Indústria e varejo venderão mais cerveja porque pessoas vão beber quanto mais for produzida e distribuída aos postos de venda. E a sociedade brasileira está preparadíssima para consumir, seja lá o que for. Mas, está preparada para beber na proporção que indústria e varejo se preparam para vender cerveja?

Na boa, estamos preparados para consumir sem largar as latinhas em qualquer lugar? Estamos preparados para não dirigir depois de beber?

Os criativos estão preparados para propor campanhas educativas a seus clientes? Os diretores das empresas estão preparados para decidir investir em propaganda que educa para o consumo e o descarte? As assessorias de comunicação das empresas estão preparadas para brifar suas agências?

E os garis, vai sobrar pra eles recolherem e para nós pagarmos pelo recolhimento do lixo gerado pelo aumento do consumo?

Vamos lembrar das latinhas poluindo o fundo do mar na Bahia, siga o link para rever as fotos do Fundo da Folia: http://www.globalgarbage.org/blog/index.php/2010/03/05/o-fundo-da-folia

 

 

Ambev está preparada para verão no Brasil, mas pode faltar cerveja

Lílian Cunha | Valor
03/11/2010 10:40

SÃO PAULO - A Ambev está preparada para o que deve ser o melhor verão da história em vendas de cerveja no Brasil este ano, mas mesmo assim deverá haver falta de produto pontualmente, segundo Nelson Jamel, diretor financeiro e de relações com investidores da cervejaria. “É normal ter algum problema porque não basta ter cerveja na fábrica, é preciso ter caminhão para distribuir para nossos mais de 1 milhão de pontos de venda em todo país. Mas estamos nos preparando mais do que nunca para esse verão”, afirmou.

Valor Online

 

 

Ambev espera crescimento acima de 10% das vendas de cerveja este ano

Ana Luísa Westphalen | Valor
03/11/2010 11:19

SÃO PAULO – O aumento da renda real do consumidor e eventos como a Copa do Mundo vão ajudar a Ambev a fechar 2010 com um crescimento superior a 10% nas vendas de cerveja no Brasil, mesmo ante uma base de comparação forte, que foi o ano passado. A projeção é do vice-presidente financeiro da companhia, Nelson Jamel. Para que esse patamar seja alcançado, no próximo trimestre, as vendas da bebida precisariam crescer cerca de 3%, número que será facilmente atingido, segundo o executivo, tendo em vista a chegada do verão.

Foi justamente a expansão do volume de cerveja que impulsionou o resultado na AmBev neste terceiro trimestre. O crescimento do volume da bebida foi de 12,5% entre julho e setembro, o que levou o lucro da companhia a atingir R$ 1,8 bilhão, um salto de 47,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Apenas no Norte e Nordeste, o crescimento em volume corresponde a 25% nos nove meses do ano.

“Estamos sabendo aproveitar o cenário macroeconômico do país e o bom momento da indústria”, resumiu Jamel, ao explicar o desempenho da companhia no período. Além disso, ele citou os ganhos com o aumento de participação no mercado. De acordo com o executivo, apenas no terceiro trimestre, o “market share” da companhia avançou 1,7 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano passado, para 71,1%.

O mercado brasileiro é o motor desse crescimento, já que nas operações fora do país os volumes estão estáveis, como no caso da Argentina, ou em queda, como no Canadá, onde houve retração de 5,4% no trimestre. A expectativa do executivo é de que esses outros mercados apresentem recuperação, mas só a partir do ano que vem.

Para este verão, que promete ser recorde para o mercado de cerveja, Jamel acredita que  a ampliação da capacidade da demanda em 15% no ano, fruto de investimentos que totalizam R$ 2 bilhões no período, garantirá o suprimento da demanda. Ele não descarta, no entanto, casos pontuais de desabastecimento. “A gente vem se preparando para esse verão confiante de que a economia continuará num ritmo forte de crescimento. Os investimentos estão fazendo com que a gente tenha fôlego para suprir a demanda”, disse.

Entre os projetos iniciados neste ano contemplados pelo plano, o executivo destacou a construção de uma filial em São Luís (MA), que teve investimentos de R$ 144 milhões, e de outra fábrica em Viamão (RS), com aportes de R$ 150 milhões. A fábrica de Itapissuma (PE), em que foram investidos R$ 260 milhões, deve atingir 100% de sua capacidade apenas no início do segundo semestre do ano que vem, quando deve ser a segunda maior fábrica da companhia em produção.

(Ana Luísa Westphalen | Valor)

Valor Online

 

 

Bebidas: Importação de latas e alta do açúcar elevam preços .

Ambev se prepara para melhor verão da história, mas já falta cerveja

Por Lílian Cunha e Sérgio Bueno | De São Paulo e Porto Alegre
04/11/2010

Má notícia para quem gosta de cerveja: a bebida vai ficar mais cara e já falta em bares de todo Brasil. Embora a Ambev - maior cervejaria do país com mais de dois terços do mercado - diga que está preparada para o que deve ser o melhor verão da história em vendas, Nelson Jamel, diretor financeiro e de relações com investidores, admite que mesmo assim deverá haver falta de produto, mas “pontualmente”. “É normal ter algum problema porque não basta ter cerveja na fábrica, é preciso ter caminhão para distribuir para todos os nossos 1 milhão de pontos de venda”, disse ontem o diretor durante a teleconferência de resultados do terceiro trimestre do ano. “Mas estamos nos preparando mais do que nunca para esse verão”, completou.

Valor Online

 

 

Ambev tem lucro 47,5% maior no trimestre, de R$ 1,815 bilhão

Juliana Cardoso | Valor
03/11/2010 7:35

SÃO PAULO  - A Ambev encerrou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 1,815 bilhão, o que significa uma alta de 47,5% perante o R$ 1,230 bilhão somado um ano antes. O lucro normalizado - antes de itens extraordinários - foi de R$ 1,817 bilhão, também 47,5% acima do montante de julho a setembro de 2009 (R$ 1,232 bilhão).

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Lajida) equivaleu a R$ 2,652 bilhões nos três meses até setembro, elevação de 11,8% na comparação com os R$ 2,372 bilhões registrados em igual intervalo do exercício anterior. A margem Lajida saiu de 43,8% para 44,4%. A receita líquida avançou 10,5%. passando de R$ 5,411 bilhões para R$ 5,978 bilhões.

As operações da Ambev no Brasil verificou Lajida normalizado de R$ 1,882 bilhão, excedendo em 15,4% o R$ 1,631 bilhão do terceiro trimestre de 2009. A receita líquida cresceu 18,7%, para R$ 3,965 bilhões, no confronto com os R$ 3,341 bilhões de um ano antes.

Apenas a divisão Cerveja Brasil, o Lajida normalizado apresentou expansão de 17,1%, partindo de R$ 1,340 bilhão para R$ 1,570 bilhão dos três meses até setembro de 2009 para igual período do exercício atual. A receita líquida subiu 19,5%, para R$ 3,289 bilhões.

“Nosso volume de cerveja no Brasil cresceu 12,5% no terceiro trimestre de 2010 devido ao crescimento da indústria, combinado com um maior ´market share´ médio no trimestre (+170 pontos-base de acordo com a Nielsen), impulsionado principalmente pelo bom desempenho das nossas inovações”, explicou a Ambev.

(Juliana Cardoso | Valor)

Valor Online

 

 

Embalagens: Com investimento de US$ 70 milhões, ficará no PA ou AM

Crown fará nova fábrica de latas na região Norte

Ivo Ribeiro | De São Paulo
28/10/2010

 

Rinaldo Lopes, presidente: "mercado de latas no país, que está importando, tem previsão de crescer por mais cinco anos". Foto: Davilym Dourado/Valor

Rinaldo Lopes, presidente: "mercado de latas no país, que está importando, tem previsão de crescer por mais cinco anos". Foto: Davilym Dourado/Valor

 

A Crown Embalagens, uma joint venture entre a americana Crown Holdings e o grupo brasileiro Petropar S.A., anunciam hoje a instalação de sua quarta fábrica de latas de alumínio no país, voltada para bebidas - cervejas, refrigerantes, sucos e chás. O investimento previsto é de US$ 70 milhões e a unidade fabril será instalada na região Norte, com capacidade para fabricar 1 bilhão de embalagens por ano. O local escolhido, a ser divulgados nas próximas semanas, ficará no Estado do Amazonas ou do Pará, informou Rinaldo Lopes, presidente da subsidiária brasileira, ao Valor.

Valor Online



3 Responses to “ A cerveja vai bombar nesse verão… ”

  1. Cristina Reis disse:

    Estão criando uma geração de alcoólatras. A AMBEV precisará criar nos estados brasileiros vários Centros de recuperação para tratamento de alcoolismo. Um dano irreparável para as cabeças jovens em que instigam que se deve encher a cara, mas que não dirija. Propaganda hipócrita!

  2. beatriz diniz disse:

    arrasou na edição, Fabiano.

  3. …claro que sim…cerveja,trio eletrico, praia e muito sol…tá na cara que as empresas que lucram com esse cocktail terão que prevenir em vez de ficar só na limpeza de praia posterior !
    Terão que apostar em campanhas fortes para chamar a atenção do consumidor, e ter muitos´centros de recolha de latas para reciclagem, com pagamento na hora…desaparecem as latas todas, vcs vão ver!
    A seguir às latas, os plasticos…centros de recolha de recicláveis, URGENTE!
    A Natureza não aguenta mais tanto desperdicio, tanto buraco no chão para esconder o que ela não come….recicláveis são uma mina para quem quiser explorar direito, começando pelo Governo.Acordem gente!

Leave a Reply