Despejo de água poluída faz praia da Barra virar um mar de lixo

“É triste. Você perde espaço pra sentar, tem que ficar driblando o lixo. Um ponto turístico nessa situação é uma péssima imagem para o estado”, avalia o estudante Leônidas de Souza, 23, de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador. A praia do Farol está próxima à praia do Porto da Barra, eleita em outubro do ano passado, pela rede de TV americana CNN, como uma das 50 melhores praias do mundo.



10.01.2012

Despejo de água poluída faz praia da Barra virar um mar de lixo

Água imunda jorra direto na areia da praia da Barra, um dos principais cartões-postais da cidade e revolta banhistas e barraqueiros

Despejo de água poluída faz praia da Barra virar um mar de lixo. Foto: Marina Silva


Luana Ribeiro
luana.ribeiro@redebahia.com.br

A sua sorte, leitor, é que por mais repugnantes que sejam, as fotos não têm cheiro. E nem transmitem doenças. Porque para quem frequenta a praia da Barra – entre eles os muitos turistas que vão levar para fora sua opinião da cidade – é rotina se deparar com essa água imunda que emporcalha as areias sempre depois que chove no bairro.

Ontem de manhã choveu. E, em dez minutos, por volta das 9h, uma forte corrente de água suja começou a jorrar de um cano, diretamente na areia. Rapidamente, uma poça negra, de cerca de 100 metros de comprimento por 10 de largura, se formou na areia.

“Parece até uma guerra. Agora, aqui não é Praia do Farol da Barra, é a praia dos esgotos”, afirma Manoel Ramos, 43, morador de Tancredo Neves, que frequenta a praia a cada 15 dias. Ele conta que já viu os banhistas correrem, fugindo das águas escuras. “No meu tempo de menino isso era uma maravilha”, lembra.

Além de revolta dos banhistas, a imensa mancha prejudica barraqueiros. De acordo com eles, a água é, na verdade, esgoto despejado por um hotel da orla. “Nós já reclamamos com eles, com a prefeitura e não fizeram nada”, conta a barraqueira Jaqueline dos Santos, que trabalha há 8 anos na praia.

Enquanto a água negra ia tomando a areia, os barraqueiros iam cavando, numa tentativa de disfarçar a sujeira. Para salvar as caixas de isopor e as cadeiras, eles tinham que botar o pé na lama. Em alguns pontos, o nível da água chegava perto do joelho.

Para não perder todo o dia, os vendedores organizaram uma operação para limpar a praia. Depois de cavar trilhas para escorrer as águas represadas, jogavam areia sobre a área inundada.

“Agora qual o banhista que vai vir aqui? Qual o turista? A gente paga tudo (os impostos para trabalhar na área) certinho e é isso que acontece. Ninguém faz nada”, reclamou Jaqueline. “Minha unha está toda comida de micose”, acrescentou, mostrando o pé.

Além de revolta dos banhistas, a imensa mancha prejudica barraqueiros. Foto: Marina Silva


Explicações
A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) informou que não existe nenhum ponto de lançamento de esgoto nas praias da Barra, e que todo o esgoto é encaminhado para o emissário submarino do Rio Vermelho. Por meio da assessoria, a empresa informou que a água negra vem, na verdade, da desembocadura de um canal de captação de água da chuva.

Ao cair, a chuva limpa as ruas, e o resultado de toda essa limpeza é captado pelos bueiros – quando não estão entupidos – e canalizado para as áreas mais baixas de uma região. No caso da Barra, as praias. Assim, quanto mais sujas estiverem as ruas, maior o estrago. A responsabilidade por essa rede de escoamento, segundo a Embasa, é da Superintendência de Conservação e Obras Públicas do Salvador (Sucop).

A Embasa informou ainda que vai enviar técnicos à região para verificar se há alguma ligação clandestina de esgoto conectada ao cano.

Cocos, latas de cerveja e copos descartáveis e até fraldas e camisinhas tomavam sol. Foto: Marina Silva


Lixo
Á água suja que apareceu na praia ontem de manhã soma-se ao monte de lixo acumulado, flagrado pela equipe do CORREIO: cocos, latas de cerveja e copos descartáveis e até fraldas e camisinhas tomavam sol tranquilamente à beira-mar.

Uma situação “deprimente demais”, segundo a tenente do Exército Juliana Dummel, que é gaúcha, mas mora na cidade há quatro anos. Como muitos, ela mostrou-se chocada ontem. “É o retrato do caos. Desde ontem estou vindo aqui fiscalizar para ver se a prefeitura recolheu o lixo. A vontade que tenho é de catar tudo. Vou fazer um vídeo e uma campanha na internet”, prometeu.

Segundo a diretora de operações da Limpurb, Ângela Maria Pereira, a limpeza das praias do Porto e do Farol é feita todas as noites, por uma equipe de 20 funcionários. Além disso, foram colocadas 15 lixeiras na areia, mas que segundo ela foram retiradas por vândalos.

Em todo o bairro, a coleta domiciliar é em dias alternados (segundas, quartas e sextas) e em bares e restaurantes a coleta é diária. No entanto, a diretora reforça a necessidade da população colaborar, não jogando lixo nas ruas, nem deixando os sacos muito antes do momento da coleta.

“Uma praia com criança e tudo. Isso é um absurdo". Foto: Marina Silva


Consciência
Chovia quando o CORREIO conversava com a tenente Juliana. “O céu deve estar chorando de vergonha. É um povo ingrato que recebeu um presente de Deus”, analisou, numa crítica às pessoas que não recolhem da praia o próprio lixo que produzem.

Muitos criticam também a atuação dos barraqueiros. “No fim do dia, eles não recolhem o lixo”, afirmou um banhista, que não se identificou. O vendedor Rogério Lima, 36, assume a contribuição dos colegas. “A prefeitura tem que recolher, mas se todo mundo fizesse sua parte…”.

Turistas reclamam da situação da praia
A mancha escura que tomou as areias da praia do Farol espantou muitos turistas, que, ao ver a cena, da calçada, se retiravam do local. Já de saída, uma delas exclamou: “Uma praia com criança e tudo. Isso é um absurdo, eu vou embora”. Alguns deles, no entanto, permaneceram na praia mesmo assim. Isso não quer dizer, porém, que o clima era de satisfação.

“É triste. Você perde espaço pra sentar, tem que ficar driblando o lixo. Um ponto turístico nessa situação é uma péssima imagem para o estado”, avalia o estudante Leônidas de Souza, 23, de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador. A praia do Farol está próxima à praia do Porto da Barra, eleita em outubro do ano passado, pela rede de TV americana CNN, como uma das 50 melhores praias do mundo.

Correio

Visual do fundo do mar na Praia do Porto da Barra na manhã do dia 09/01/2012. Foto: Bernardo Mussi/O Fundo da Folia



Leia também

O Fundo da Folia



2 Responses to “Despejo de água poluída faz praia da Barra virar um mar de lixo”

  1. Selma Gama disse:

    “Triste Bahia…..”Isto é vergonhoso, que imagem péssima nossa para o turismo ,vamos acabar com esta miópia de procurar nossa cidadania.

  2. Baraúna disse:

    TODO O EATAO DA BAHIA ESTÁ ABANDONADO E, EM SALVADOR, NÃO É NADA DIFERENTE.
    NA ILHA DE ITAPARICA O LIXO NÃO SÓ TOMA CONTA DAS PRAIAS, COMO TAMBÉM, DE TODA CIDADE (RUAS, VIAS DE ACESSO, PRAÇAS, ETC….).
    NA VERDADE ESSES “DIRIGENTES” SÃO OS VERDADEIROS LIXO DE GRAVATAS !!!

Leave a Reply