Sacolinha vazia

As sacolas descartáveis permanecem por um século no ambiente, até se degradarem (as biodegradáveis resistem um par de anos). Poluem os oceanos, rios e lagos. Não foram feitas para pôr lixo na rua; para isso há sacos mais adequados.
A maior utilidade da medida está em educar o consumidor para evitar o desperdício de plásticos. Ao obrigá-lo a pagar do próprio bolso pelo mau hábito, põe em xeque o duvidoso “direito” de legar bilhões e bilhões de sacolinhas para as gerações futuras.



São Paulo, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

EDITORIAIS

editoriais@uol.com.br

Sacolinha vazia

© Rich Carey/Shutterstock.com


O debate público em torno das sacolas plásticas de supermercado alcançou o estágio de combustão espontânea por força da desinformação e do apego a hábitos arraigados. Alguns consumidores reagem à privação dos saquinhos como se lhes estivesse sendo negado o acesso a um direito fundamental, um rematado exagero.

Para começar, não há lei proibindo o uso dessas embalagens. Existe, sim, um acordo entre a Associação Paulista de Supermercados e os governos do município e do Estado de São Paulo para substituir as sacolas descartáveis por recicláveis, pelas quais o cliente terá de pagar R$ 0,19 a unidade.

Apenas as grandes redes aderiram à campanha, o que abrange metade do mercado varejista. No restante do comércio, as sacolinhas continuam à disposição. Garante-se a liberdade de escolha, e quem não quiser pagar pode levar carrinhos, caixas e sacolas de casa.

É certo, por outro lado, que a iniciativa diminuirá a demanda por saquinhos convencionais -12,9 bilhões deles circulam pelo Brasil a cada ano. Menos da metade, 5,2 bilhões, no Estado de São Paulo, onde sustentam 34 mil empregos diretos e indiretos, segundo o setor.

Muitas empresas da área, porém, já reorientam sua produção, como é natural. Em Jundiaí (SP) e Belo Horizonte, fabricantes abandonaram os saquinhos tradicionais pelos biodegradáveis. Ameaçar com falências e desemprego de dezenas de milhares é uma pressão indevida.

As sacolas descartáveis permanecem por um século no ambiente, até se degradarem (as biodegradáveis resistem um par de anos). Poluem os oceanos, rios e lagos. Não foram feitas para pôr lixo na rua; para isso há sacos mais adequados.

Diminuir seu uso não vai “tirar o planeta do sufoco”, como propagandeia a campanha público-privada em seu bom-mocismo ambientalista. Muito menos limpar o poluído Tietê, cujo problema é coleta e tratamento de esgoto. Mas é um passo -pequeno- na direção correta.

A maior utilidade da medida está em educar o consumidor para evitar o desperdício de plásticos. Ao obrigá-lo a pagar do próprio bolso pelo mau hábito, põe em xeque o duvidoso “direito” de legar bilhões e bilhões de sacolinhas para as gerações futuras.

Folha de S.Paulo



Leia também

MMA lança segunda fase da campanha Saco é um Saco!

Sacolas para compras: como escolher?

A indústria do plástico reage à campanha “Saco é um saco”

Projeto Municipal de Incentivo ao Uso de Sacolas Retornáveis é lançado em Caculé

Contraditório

Sacolinhas de supermercado são feitas com plástico “virgem”

Descubra o ciclo das sacolas plásticas no Akatu Mirim!

No município de Xanxerê, interior de Santa Catarina, desde 2009 já não se usam mais sacolas plásticas nos supermercados

Governo assina pactos setoriais pela sustentabilidade

Plástico é uma ameaça às tartarugas

Lei municipal proibe a distribuição de sacolas plásticas em supermercados de Marmeleiro

Flutuador encontra sacolas plásticas no trecho do Tietê em Cabreúva, SP



Leave a Reply